Grupos 3, 8, 10 e Estamparia também recebem avisos de greve da FEM-CUT/SP

Os metalúrgicos na base da FEM-CUT/SP dos Grupos 2, 3, 8, 10 e Estamparia no Estado poderão entrar em greve a partir de segunda, dia 10 de setembro. As negociações da Campanha Salarial com estes setores não avançaram e a Federação protocolou avisos de greve nesta quarta-feira, dia 5 de setembro, para as bancadas patronais dos Grupos 3, 8, 10 e Estamparia. Na terça, a entidade já havia protocolado o comunicado para a bancada do Grupo 2.
Em rodada com a FEM, o Grupo 3 apresentou como proposta de aumento salarial apenas a reposição integral da inflação do período da data-base da categoria metalúrgica, 1º de setembro, que fechou em 5,39%. Os demais setores mantiveram o índice de 5% — que novamente foi reprovado pela Federação na mesa de negociação. “Os nossos sindicatos farão assembleias hoje e neste final de semana que devem aprovar o estado de greve nas fábricas destes setores”, explica o presidente da FEM, Valmir Marques, (Biro Biro).

Biro ressalta que assim como o governo Dilma tem feito a sua parte ao desonerar a folha de pagamento, reduzir o IPI, as taxas de juros, elevar o conteúdo do carro nacional e frear o aumento das importações, os empresários também têm que fazer o seu papel e pagar um aumento real que contemple a categoria. “É desta forma que manteremos a nossa economia aquecida”, conta.
O comunicado de greve informa às empresas que a partir do prazo de 48 horas, a qualquer momento, os trabalhadores poderão entrar em greve por tempo indeterminado.
Biro disse que a FEM-CUT/SP continuará aberta ao diálogo e espera que as bancadas patronais avancem na proposta econômica e na pauta de reivindicações.
Fundição
A bancada patronal, coordenada pelo assessor jurídico Valter Armelin, sinalizou a possibilidade de avançar na proposta de aumento real. Biro comentou que o setor apresentará uma proposta na próxima terça, dia 11. Esta foi a única bancada patronal que a FEM não entregou comunicado de greve.

Principais reivindicações da FEM-CUT/SP

Reposição integral da inflação no período da data-base da categoria (1º de setembro);
Aumento real no salário;
Valorização nos pisos salariais;
Redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais sem redução no salário;
Ampliação da licença maternidade de 120 para 180 dias;
Seguro de vida em grupo.

Setores da base da FEM-CUT/SP em Campanha
Fundição
Estamparia
Grupo 2 (máquinas e eletrônicos)
Grupo 3 (autopeças, forjaria, parafusos)
Grupo 8 (trefilação, laminação de metais ferrosos; refrigeração, equipamentos ferroviários, rodoviários entre outros)
Grupo 10 (reúne os sindicatos patronais dos setores de lâmpadas, equipamentos odontológicos, iluminação, material bélico entre outros).
Total de metalúrgicos em Campanha na base FEM: 206.5 mil

Viviane Barbosa, editora do Portal FEM-CUT/SP

Tadeu Italiani

Jornalista e Assessor de Imprensa do Sindicato dos Metalúrgicos de Itu e Região

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *